quinta-feira, outubro 29, 2009

Mudam-se os tempos...

Coimbra 8 de Junho de 1953 - Às vezes fico-me a pensar no grau de intolerância que é preciso para, num país como o nosso, existir uma incompreensão tão cega pelo drama de todos aqueles que vivem à margem da Igreja. Nados e criados num ambiente familiar católico, aplainados na doutrina, convivas mais tarde à mesa de uma literatura fradesca e devota, limitados às emoções de uma arte exclusivamente religiosa, rodeados de amigos praticantes, e a pegar e a despegar do trabalho ao som de sinos que tocam o Ave, só mesmo porque qualquer coisa de muito profundo, de muito rebelde, de muito invencível, se recusa dentro da natureza de tais anatematizados, explica que se arredem de um caminho onde tudo lhes seria fácil, e tomem por outro onde tudo lhes é difícil. …”

in Miguel Torga - Diário Vols VII e VIII

Passado mais de meio século, sou tentado a concluir que tudo se inverteu e são agora os crentes o objecto da incompreensão de que Torga nos falava em 1953.

3 comentários:

Hanokh disse...

Hoje em dia é "cool" não ter qualquer tipo de crença religiosa!

Não ter fé é, para a sociedade em que vivemos, o equivalente a ser intelectualmente superior!

Os que têm fé não passam de acéfalos, cordeirinhos incapazes de tomar, livremente, as rédeas da sua própria, desprovidos de qualquer capacidade crítica e subjugados à vontade de um Deus terrível!

A sociedade não é intolerante, é sim ignorante!

Hanokh disse...

*da sua própria vida

ruimnm disse...

Uma fotografia perfeita. Adorei este corte.